terça-feira, 16 de junho de 2009

Presente

Nem todos os aniversários foram felizes para ele. Presentes e festas nem sempre condiziam com o desejado. Tinha esperança de encontrar entre os embrulhos aquilo que pedira e sonhara a cada ano. A ansiedade todas as vezes o tomava, corria, sem ao menos parar para pensar nos possíveis desgostos de sua afobação. E rasgava todos. Rasgava com raiva, não por mal, mas por um extravasamento de seus sentimentos. Foi assim por vários anos, por várias festas. Em um desses dias, quando já não acreditava mais, um embrulho novo se destacava em meio ao colorido dos outros. Não quis saber de nenhum desses, aquele o atraia de forma única. Uma sensação boa, uma vontade de não mais olhar outro presente cresceu dentro dele. Decidiu não abri-lo de tão belo que era. Então, o guardou na mais escondida gaveta de seu bagunçado armário. Não era o dia de desembrulhar. Não foi o dia por muito tempo. Tinha medo de não corresponder com o que ansiava, ou mesmo de que outrem desfizesse o laço vermelho que o envolvia. Trancada a gaveta estava, e muito bem trancada. Com chave única, que carregava consigo por onde andava. Não queria correr o risco. Na modorrenta tarde de um sábado qualquer, teve que sair às pressas. Correu, estava atrasado. Só que, atravessando a avenida, necessitou repentinamente do que pensava estar dentro da caixa de papelão enfeitada. Um sentimento de inquietude aumentava, como se não tivesse a certeza de que o presente estaria lá onde deixou. Como se não tivesse mais a garantia de sua presença. E de fato não tinha. Havia esquecido a chave. Voltou rapidamente a seu quarto, abriu seu armário... e caiu de joelhos. Lágrimas escorreram: o embrulho estava aberto. Alguém tirava do pobre mancebo aquilo que ele mais prezava. Não tinha mais o que por tanto a tempo cultivou. Um cultivo incerto, pois não fazia ideia do conteúdo da caixa. Não sentiu a satisfação de tê-lo aberto, muito menos de ter o privilégio se usufruir do que estava guardado. Desiludido ficou. Outros aniversários passaram, outros presentes vieram. Mas, não tinha vontade de abri-los. Pareciam banais e sem valor. Talvez, até dotassem de valia, só que não observada. Chegou a pensar em não querer mais presentes. Não queria mais sentir a decepção de perder outra vez. Viveu por algum tempo assim, até que, em uma manhã despretensiosa, abriu o armário para pegar algo qualquer. Não acreditava: o embrulho estava novamente feito. Da mesma forma que deixou antes daquela fria tarde de sábado. Pensou com seus botões a razão do presente ter voltado sem chegar a qualquer conclusão lógica. Abriu-o imediatamente ao vê-lo novamente, certo? Não. Então, vai guardá-lo outra vez? Também não. Na verdade, até hoje, não sabe o que fazer. Paira uma dúvida cruel em sua mente: abre-o mesmo não tendo a certeza de estar pronto para abrir ou guarda-o com o idealismo de antes. Talvez, nem haja, realmente, essa dúvida. Guardá-lo tão fervorosamente, de certo, não fará mais. Quanto a abrir, ainda não se decidiu. Essa sim é a verdadeira dúvida. Com o tempo optará, só que não se sabe quanto tempo ele terá.

12 comentários:

Hugo Leão disse...

Muito bom Marcel, sinceramente...

Gostei muito velho.. Parabééns

=)

Renato Barbosa disse...

Po, muito bom véi!

Tem futuro mesmo ;D

César disse...

Sinceramente n entendi... Mas acho q quase nada na vida vc tem uma segunda chance. Saber viver é exatamente saber aproveitar cada presente que vc receba, mesmo não sendo o que vc tinha sonhado. Se chegar uma segunda chance, não vacile que nem na primeira, sabia aproveitá-la!

Sarinha disse...

"Não foi o dia por muito tempo."

acho que faço isso. acho que guardo com medo de abrir... e perco a chance! ;x
gostei, Fri! :*!

Emanuel disse...

Marcel, pare com as drogas.

siuahsiuahsaui, belo texto.

igorsou disse...

gostei muito cara, boa mensagem por entre as linhas :D
abraço vc eh fodaa

Puro rumor disse...

Eu li em primeira mão!

Muito massa vei...

Flw!

Ana Clara disse...

erré,gostei muito do texto! =D

Ludmila disse...

e eu queria saber o que é o presente...

Ana Clara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nelson disse...

cara...
muito bom!
foda mesmo!
li o texto de ficar com água na boquis...
hahahaha

e muito do mal isso de cultivar coisas que não sabemos o que são e nós fazemos sempre.
depois de tanto tempo na caixa deve haver decepção.

crap disse...

comecei a ler e me veio a vontade de dizer que hoje em dia eu acho que abro mais os presentes por educação, mostrando que estou ciente do presente que ganhei, do que por vontade minha. quando eu era criança, rasgava os embrulhos. hoje desato nós que a própria pessoa que embrulhou não sabia que existiam. acho que, no fim, não faz tanta diferença assim abrir ou não abrir. se abrirmos corremos o risco de nos decepcionar e se ele se mantiver embrulhado poderemos estar perdendo algo maravilhoso. as chances são as mesmas, acho. nunca fui bom com probabilidade.